JUVENAL E SILVIA

De 9.01.07

Sílvia era notívaga inveterada. Já o saudoso jornalista e poeta Juvenal, ao que tudo indicava, parecia não ter tomado conhecimento da invenção do relógio.

Não me lembro exatamente onde fui apresentado à Silvia. Lembro-me, entretanto, que era alta madrugada e ela ainda não havia jantado. Percorremos o centro da cidade em busca de restaurante aberto. Salvo engano meu, apenas o La Farina na praça Júlio Mesquita estava funcionando – prestes a fechar, afinal já eram mais de quatro da manhã.

A conversa dela era ótima. Ela adorava conversar. E ela jantava e conversava com a tranqüilidade e sossego como se fossem oito horas da noite e o restaurante tivesse acabado de abrir. Ela me contou, entre outras coisas, que na juventude havia namorado famoso líder estudantil da década de 60, na época verdadeiro galã, que mais tarde viria a ocupar postos chaves no governo Federal. Você o conhece. Garçons, naturalmente, loucos para irmos embora. Quando, finalmente ela acabou o jantar, o sol brilhava forte. Alguns dias depois, novamente eu e a Síivia ficamos a noite inteira conversando.

O Juvenal, de quem fui sócio em uma micro-editora, constantemente me fazia lembrar a piada do menininho judeu ou turco, dependendo do gosto de cada um, que pedia R$ 50,00 para o pai. O pai argumentava:

– Quarenta? Pra que trinta? Se 20 é muito, leva dez e traz cinco de troco.

Quando marcávamos encontros profissionais para o dia seguinte, Juvenal não explicitava a coisa, mas devia pensar mais ou menos assim:

Oito horas da manhã????, se 10 é cedo demais, a gente marca pra 12, chegamos às 3 da tarde, batemos papo até as 6 e lá pelas 10 da noite a gente começa a trabalhar. Dizia para ele que era isso que se passava na sua cabeça; muito raramente nossas reuniões de trabalho começavam antes de umas quatro ou cinco horas após o horário estabelecido. Era de enlouquecer!!!! Mas tenho saudades do Juvenal, da nossa Editora em uma garagem no Sumaré e do Guengo, outro sócio, que lia pela mesma cartilha do Juvenal ou pelo mesmo relógio do amigo. Bons tempos!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Apresentados Sílvia e Juvenal, lá vai a história:

Muitos anos antes. Eram mais de seis da manhã, Juvenal e Sílvia conversavam na sala de visitas da casa dela. O pai, psiquiatra famosíssimo, aparece lá em cima da escada e pergunta para a filha se já não era hora de ela acabar o bate papo e ir dormir.

Sem jeito, Juvenal se despede. Quando ele já está na Rua, o velho aparece lá em cima na janela e grita:

– Agora vai dormir até às cinco da tarde, né comunista de merda???????

Anúncios

1 comentário

  1. Paulinho,
    Achei o crônica do Juvenal e Silvia muito criativo, muito sucesso no seu maravilhoso blog.

    De seu colega da Academia Harmonia Cicero.

  2. Memórias saborosas!
    Por onde andará Silvia?
    Vale um reencontro, não vale?
    abraços
    ++++++++

    Flávio:

    Não bastam as confusões que eu já tenho compulsória/compulsivamente e vc quer me arranjar novas… Se eu contasse para vc de quem que ela foi namorada!!!! Cê não vai acreditar. E nos tempos que a fera era um galã!!!

    Abraços

    Paulo Mayr

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s