Assédio Cultural – Por Armando de Oliveira Neto*

Meu Amigo Armando, que costuma escrever textos sérios e científicos, de fácil compreensão para todos,  vem revelando, desde sua última aparição aqui, um lado mais divertido, relaxado  de sua personalide.  Sérias, divertidas/relaxadas, as reflexões dele sempre nos obrigam a pensar.  Lá vai o artigo.

No último fim de semana*, estava no  interior,  e só tive acesso, pelo rádio, ao programa “A Hora do Brasil”, quando foi massacrado pelo designativo “presidenta”.
O que se segue é uma singela elaboração sobre a questão.

Faço aqui uma indagação aos juristas: é possível entrar com uma ação judicial contra o Estado Brasileiro por Assédio Cultural?

A fundamentação é a seguinte:

Entendo por Assédio o “ato de cercar determinado espaço territorial para exercer domínio”. Assim, a edição de uma ordem legal, emanada do Estado, no sentido de tornar obrigatório o uso da palavra “presidenta”, passa a ser entendida como um cerceamento, um cercar minha liberdade do uso do vernáculo pátrio.

Entendo por Cultural o espectro mais sinistro de tal famigerado ato: compreendo que toda língua está em constante mudança, Exemplo vivo, e atual, é a leitura de Camões ou Pero Vaz de Caminha, comparando-se à nossa escrita de hoje. Sem ir tão longe é só acessar os jornais do século retrasado, ou o termo “bocomoco”, do reclame de Guaraná, nos anos 60.

Há um trabalho de pesquisador americano que, por meio de comparação dos modelos linguísticos, concluiu que somente 15% do Novo Testamento tinham origem no período vivido pro Jesus de Nazareth. No entanto essa modificação se faz a partir da base para o ápice da pirâmide cultural: a língua é construída e reformada a partir de sua faceta coloquial e popular, de baixo para cima.

NUNCA DE CIMA PARA BAIXO!!!

É sob esse prisma que compreendo a ação de Assédio: um cerceamento do povo para a construção de novos caminhos de nossa língua, oriunda de uma infame e paupérrima expressão de propaganda do governo atual.

Pergunto novamente: há espaço para uma ação judicial???
Aguardo orientações de meus amigos e leitores…
+++++++

*(último fim de semana a que Armando se refere é 26/27 de maio),  Ele me mandou esse texto nessa época.  A correria a que me submete a internação do meu pai só me permitiu publicá-lo agora.

+++++++++++++++++

Armando de Oliveira Neto
Médico Psiquiatra
Aposentado do Serviço de Psiquiatria e Psicologia Médica
Do Hospital do Servidor Público Estadual
Médico Assistente do Hospital Infantil Cândido Fontoura
Professor/Supervisor pela Federação Brasileira de Psicodrama

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s