Velórios

Leitor Sidney Barbosa Conta História Mórbida Divertidíssima!!!

Já não é a primeira vez que sou obrigado a transformar comentário do leitor  Sideney Barbosa  em post, de tão hilário.  Dessa vez, o assunto é morte e correlatos, com direito a banho no defunto. Divirta-se!!!

Mayr, dá sim pra lembrar de alguns velórios e dar boas risadas. Conto uma, se prometer não espalhar. Uma vez, faz muitos anos, fomos pescar, eu e um amigo que não é, digamos prá ser educado, não é lá muito igual aos outros. Pois bem. Chegando lá no rio longe a beça, o pirangueiro (homem que mora as margens de rio), achou por bem morrer de morte súbita. Tinha na vizinhança uma filha. Considerando que não era mais a propósito pescar, resolvemos socorrer a familia. Fui pra cidade de carro, com a filha, providenciar as coisas do funeral. Meu amigo ficou no rancho velando o morto. Isto é, cheirou daqui, cheirou dali, achou que o morto não estava lá muito limpo e já tinha até cheiro de morto passado. Quando retornamos, encontramos o defunto nú estendido numa cama de molas (sem o colchão) secando ao sol. Ele arrumou uns materiais de limpeza e com uma vassoura de pelo deu um banho bem dado no falecido. Restauramos a moralidade, o papa-defunto vestiu o morto com um terno emprestado e o levou para a cidade. Antes de voltar pra casa resolvemos passar no velório. Os parentes e amigos do morto nos agradeceram muito pelo auxílio prestado. Apenas estranharam o cheiro de sabão em pó e amaciante de roupa que exalava do defunto. Um abraço.

+++++++

Valeu, Sidney – Não nos prive por muito tempo de seus casos hilários

Se quiser ler outro post do Sidney: clique aqui

Links dos posts aqui do Boca  que originaram esse comentário/post  do Sidney:

Clique aqui zero – Meu Epitáfio

Clique aqui1

Clique aqui2

Anúncios