Nem por Todo o Dinheiro do Mundo

Minutos atrás no Jornal Nacional, informação de que um doleiro tinha 34 (salvo engano)  celulares para despistar escutas.  Acho que todo o dinheiro do mundo não me faria carregar dois celulares;  ou até mesmo ter dois celulares.  Espero nunca ter que pagar a língua.  Deus continue me protegendo dessa praga e eu permaneça livre e longe deles.

“Cercado de Estresse Por Todos os Lados”*

No meio da manhã, comentava com um amigo que não aguento mais, entre todos os estresses que me acometem, o estresse pelo excesso de tecnologia, senhas, cartões disso, cartões daquilo, entre outros infernos.

Irônico, meu amigo sugeriu-me algo como, não me recordo bem,  mudar-me para algum afluente da margem esquerda do Rio Amazonas (margem esquerda é mais longe de S. Paulo que margem direita), ou até mesmo mudar de Planeta.

Pois bem, recomendaram-me que assistisse uma palestra sobre Fundos de Investimentos em TV via Internet (é assim que se chama???).  Aplicado que sou,  dez minutos antes,  acionei a coisa.  No horário em que era para começar, não começava.  Quando começou,  o som fazia um eco do outro mundo.  Uma pena porque o que falavam os quatro palestrantes ( o eco os transformou em oito palestrantes) parecia muito bom.  Infelizmente, não dá para tampar o ouvido que ouve o eco e ficar escutando só com o ouvido que ouve a fala que causa o eco.

Desliguei e agora escrevo a respeito.

* Em tempo, cercado por todos os lados  é um pleonasmo.  Nesse exato momento,  uma sirene toca e não consigo continuar meu raciocínio.  Tinha algo interessante para contar sobre cercado por todos os lados.  Aliás,  meu almoço foi acompanhado por britadeira e marretas da vizinha de prédio que está trocando o piso da área de Serviço.  E a sirene continua e eu não consigo me lembrar do que queria dizer sobre cercado por todos os lados menos por um.

Sirene:  o que adianta o cara ligar a sirene e não desligar se ele está preso no trânsito???

Dá para parodiar a música:  Tristeza não tem fim/Felicidade, sim.

Ficaria assim:  Estresse não tem fim/ Sossego, sim!!!

É a barbárie!!!

Quiser ouvir a música e continuar a Paródia. Eu apenas “plagiei” o título.  Clique e ouça

Petulância Tem Limite e o Petulante Sabe Disso

Quantas e quantas vezes, seguranças de condomínios,  ou mansões, que mais se parecem armários dentro de  ternos e óculos  pretos,  não saltaram na frente de seu automóvel  para você estancar  e o patrão deles deslizar de dentro da garagem para a rua; lógico,  em carros também negros com vidros nigérrrimos???

Pois eu não paro mesmo;  e se a paixão e/ou submissão ao patrão for tamanha que ele não deixe espaço para eu continuar meu caminho, eu meto a mão na buzina e toco em frente.  Problema não é meu.

Os não tão ricos, mas igualmente arrogantes,  ao invés de seguranças armários, têm apenas alarme que dispara quando eles estão saindo da garagem. Quem tiver na calçada que desapareça.   Eu não altero o meu passo,  em hipótese alguma.

Bem, explicando, ainda não alterei.  Mas se  algum dia esses segundos  ficarem ricos de verdade e também tacarem  armários em ternos pretos  para bloquear pedestres na calçada, talvez não me reste alternativa.  Mas sou bem capaz de desviar para a rua e continuar no meu passo, fazendo motorista e o “pseudo doutor” esperarem.  Afinal, a barbárie ainda não se instalou de vez.  Se um segurança encosta a mão em um pedestre, por esse motivo,  é confusão pra mais de metro.

Certamente se aparecer  cidadão  que se recusa a admitir que automóveis tenham prioridade na calçada,  os seguranças vão ser “generosos” e “permitir” que ele prossiga seu caminho.  Afinal   é melhor o patrão se conformar, ainda que indignado, esperar o pedestre terminar a heresia dele de andar sobre a calçada no passo que desejar,  do que ir, junto com motorista, segurança,  pedestre, zelador, síndico do prédio, todos entuchados/socados  no Camburão,   para a Delegacia do Bairro.

Vidros Nigérrimos nos Ônibus das Delegações Durante a Copa – Afronta!!!

Os vidros nigérrimos  dos carros são uma das barbaridades dos dias de hoje.  Digo barbaridade do ponto de vista de segurança.  Talvez eu esteja errado, mas supõe-se que para conduzir um carro por ruas, avenidas e estradas, 360º graus de visão sejam necessários (sim, 360º, daí a existência dos três espelhos, um interno e dois externos) – não dá para não ser irônico.   Outro dia uma mulher me deu uma fechada feia.  Reclamei.  Ela:

- Como é que você quer que eu enxergue com esses vidros pretos???

E eu não sei é como eles são permitidos.  Sinceramente não sei.  Repetindo,  agora já não mais irônico, mas será que   eu sou  o único a dizer  que enxergar com clareza e definição é primordial para conduzir automóveis  com segurança???

Pra mim, paradoxo dos paradoxos é  ônibus de turismo com os famigerados vidros pretos.

Bem, a Copa do Mundo tá aí, o país gastou montanhas de dinheiro e o mínimo dos mínimos que se espera, esperança  vã, porque não vai acontecer mesmo,  é que os ônibus de todas as delegações tivessem/tenham  vidros transparentes.  Você e seu filho  não achariam o máximo estar próximo ao Messi, ainda que ele dentro do ônibus, e mais, poder ver o Messi???  Lembrando que não é só o Messi, são dezenas e dezenas de ídolos do futebol que necessariamente terão que percorrer as ruas das cidades para passear, para chegar aos estádios dos hotéis e vice-versa.

Trata-se de coisa  democrática, civilizada, para usar termo que meu pai empregava  com tanta propriedade e abrangência.

Como também é democrático manter as cortininhas nas janelas.  Os jogadores que fizerem questão de sossego para poder ouvir pagode nos smarths(espertos???) phones, simplesmente se sentam nas poltronas do corredor e fecham a cortininha.  Essa sim, verdadeiramente democrática.

Infelizmente,  tenho certeza absoluta de que o bom senso não vai prevalecer.  Milhões e milhões de brasileiros vão apenas poder dizer que viram o ônibus em que Messi, Neymar, Cristiano Ronaldo estavam:  um carrancudo  tanque de metal com carroceria reluzente, mas com   vidros nigérrimos que deixaram de ter função de vidro.

Esses absurdos estão tão arraigados que não vai aparecer uma única pessoa, com um mínimo  de bom senso,  que evite tal afronta  às crianças e cidadãos brasileiros.  O mundo se transformou nisso.  Infelizmente!!!

Má e Boa Notícia. O Facebook, quem diria, hein?! , Salvou a Noite Deste Ingrato

Destino, Intuição e, ora vejam só, até o Facebook conspiraram para que eu não perdesse a Volta da Grande Família, Doce de Mãe e o novo programa que vai estrear na Globo logo mais.

Estava decidido a ir ao Zap,  mas algo me dizia para não ir direto.   Liguei algumas vezes,  ninguém atendia.

E adivinhem quem salvou esse ingrato???

O Facebook.  Pois é,  entrei na página de  três assíduos frequentadores do Zap e perguntei a respeito.  Menos de cinco minutos depois,  dois  me informaram que o Zap de  hoje havia sido mais cedo, e  em outro lugar. Não fosse essa maravilha do século 21 (risos), eu teria, não só perdido a viagem mas também, jantado às pressas.

Agora, enquanto não começa a Grande Família, vou ficar fuçando no Facebook, Face, para os íntimos, e constatar que  uma amiga já anunciou que está com soninho, que  a outra já colocou fotos de jogos de cristais, de mulheres deslumbrantes, Garrafas de Champagne.  Brincadeira, minha gratidão não chega a esse ponto

Big Brother, A Grande Família, Doce de Mãe e a Lei de Murphy

A Grande Família faz falta.  Se você pensar que no verão Big Brother ocupa aquele horário,  parece até que não se passaram meses, mas sim décadas.  Pois é, hoje volta a Grande Família;  logo em seguida,  o encantador seriado Doce de Mãe.  Mas hoje é dia de Zap, fabulosa batalha de poesia,  que não perco por nada nesse mundo.

É lei de Murphy – se alguma coisa tem a mais mínima chance de dar errado, vai dar errado (interpretação e palavras minhas a respeito da famosa lei).  Meses de Big Brother substituindo Grande Família, chega a ser pior do que dar errado.  Para os que têm algum neurônio na cabeça e gostam do excelente teleteatro da Globo,  é verdadeira Tragédia.

Leia sobre o Zap – batalha de Poesia.  Sempre excelente alternativa para toda Segunda Quinta-feira do Mês. Clique aqui No Link vão se abrir vários textos, precisa ir garimpando.  Em tempo, Zap significa Zona Autônoma da Palavra.

Convite – Quão Capazes são Os Vira-Latas de Complicar Coisa Tão Simples !!!

Para Nélson Rodrigues, Complexo de Vira-Lata ” é a inferioridade em que o brasileiro se coloca, voluntariamente, em face do resto do mundo”  Ainda, segundo o escritor,  “o brasileiro é um narciso às avessas, que cospe na própria imagem”

Há, quase às dúzias,  exemplos do fenômeno aqui no Trombone.   E mais  exemplos não param de pipocar.

Há algum tempo, eu  havia percebido que os convites dos Vira-latas “pseudo” sofisticados (afinal, vira-lata não tem nada de sofisticado), sobretudo os enviados por email, não convidavam diretamente.

Não eram assim:

Dia tal, a tal hora, em tal lugar, bazar para vender as quinquilharias que vovó deixou no Planeta Terra  ao partir para o andar de cima.

Ora, por que fazer algo simples se pode complicar???

Para esses vira-latas,  o convite é feito em etapas.

Primeiro email: Save The date.   Na mesma linha: Venda de Quinquilharias da Vovó. Se houvesse um termo em inglês, ou “inglês de brasileiro”, para quinquilharia da vovó, é lógico que estaria ali.

Na linha de baixo, do lado esquerdo,  apenas os dias do mês e mais nada.

Em Tempo, Save the date quer dizer: Reserve a Data.

Além de  arrogantes e pretensiosos, burros, pois nem horário é informado.  Ou seja, o infeliz que recebe o convite deve deixar  aqueles dias à disposição do vira-lata comerciante/”anfitrião”.

De acordo com o que  me explicou amiga que entende dessas babaquices, no segundo, ou até mesmo no terceiro email,  é que virão horário e endereço do canil; digo, onde e a que horas será a coisa; evento, como esse povo acha chique  dizer.

Além do Complexo Explícito de Vira-lata,  belíssimo exemplo de  ” A Natureza Limitou a Inteligência, mas não limitou a burrice!!!”

Quiser ler mais sobre Complexo de Vira-lata que acomete  brasileiros vira-latas, clique. Curioso é que até mesmo intelectuais/artistas brilhantes tornam-se  vítimas dessa praga .