Os Desinfelizes da Época do Disco de Piadas do Juca Chaves e os de Hoje!!!

Desinfeliz típico, e pior, comum  da década de 70,  era o sujeito que perguntava se você havia escutado o disco do show do Juca Chaves.  Você dizia que sim.   O cara perguntava se você se lembrava de determinada piada.  Novamente, você dizia sim.  E, acredite, o desinfeliz tinha a imensa estupidez de repetir a piada inteira; óbvio que era algo que mal lembrava a verdadeira piada do Juca.

Pois  alguns desinfelizes de hoje têm ainda o prazer de, ao mesmo tempo constranger você,  estatelarem  o complexo de inferioridade deles.

Sujeito inteligente, que vê um conhecido e percebe que esse não o reconhece,  já vai logo dizendo como se chama  ou criando uma situação, contando uma história, para falar seu próprio nome.

Já a felicidade dos desinfelizes é, depois de chamarem a pessoa pelo nome, perceberem que não foram reconhecidas/lembradas, perguntar.

-Lembra-se de mim?

O outro, constrangido, diz que sim.

E o desinfeliz, para levar às alturas o complexo de rejeição dele, fulmina:

- Então,  diz o meu nome!!!

Ele vai dormir aquela noite mais rejeitado do que no momento em que acordou ou de quando  a mãe, pela primeira vez,  atrasou o horário de mamar.

Bordel Poesia – É Hoje o Sarau Mais Sedutor da Cidade

Hoje tem Bordel Poesia,  o sarau mais sedutor da cidade,  com título pra lá de inspirador,  produzido por Ricardo Kelmer, artista pra lá de criativo. Kelmer criou  em Fortaleza em 2009 esse Sarau Bordel  de variadas expressões artísticas, “com elementos de teatro de revista, apresentado em ambiente cabaretizado”.  Neste ano, começou a ser apresentado em S. Paulo.   Como se deve supor, paixão, desejo e erotismo dominam o ambiente, mas vale qualquer tema.

O público pode apresentar leitura de textos, próprios ou alheios, música, dança, teatro, vídeo, enfim todas as manifestações artísticas.

Acontece no Artilheiro Bar – R. Mourato Coelho, 1194 – Vila Madalena.  O Couver é de R$ 8,00, mas só é cobrado para quem ficar após as 21 horas, quando começam as apresentações no Palco.

Aceita Cartão. Estacionamento próximo. Estações de metrô: Faria Lima e Vila Madalena.

Aliás, apesar do nome Bordel, a coisa é bem organizada.  Há até um roteiro.

20h: Telão com clipes musicais e literários
21h: Apresentações no palco
23h: Telão com clipes musicais e literários

ATRAÇÕES DESTA NOITE

- Lançamento: Dezoito de Escorpião, livro de Alexey Dodsworth (romance)
- Bocket Show: Renatha Leal
- Homenagem: Serge Gainsbourg
- Apresentações diversas (por ordem de chegada).  Significa: quer mostrar seu trabalho é só subir no Palco.
Veja PÁGINA OFICIAL no Facebook: https://www.facebook.com/saraubordelpoesia

Assista ao Clipe oficial: https://www.youtube.com/watch?v=-m3_vjCC05Q&list=UUwS0scAuteQ46i2HEuP0KVA

RICARDO KELMER – Autor dos livros O Irresistível Charme da Insanidade (romance) e Indecências para o Fim de Tarde (contos eróticos), pela Editora Arte Paubrasil. Apresenta-se em bares e teatros com o show Vinicius Show de Moraes. Blog do Kelmer: http://blogdokelmer.com/

Não pretendo perder por nada neste mundo.

foto divulgação

Entusiasmou-se???

 

O Múltiplo e o Eterno

Antes, eu tinha uma frase:

“Meu passaporte de Cidadão Paulistano é o bilhete múltiplo de metrô que sempre trago comigo”.

Hoje, meu Visto de Entrada no Céu é o cartão de idoso do metrô que substituiu o bilhete múltiplo.

Agora, muito mais do que múltiplo, é eterno.

Sarau e Poesia na Faixa Neste Fim de Semana

Para quem gosta de Poesia e Sarau, o fim de semana tá ótimo.  Amanhã, sábado,  as irmãs Ana e Paula  Martins e a amiga Joicenéia  apresentam 48ª Edição ( quatro anos completos)  Eita (  (Encontro Integrado de Todas as Artes) Sarau, no Julinho Clube Rua Morato Coelho, 585, Pinheiros, a partir das 19 horas. Fone 3430-2985.  Domingo é Poesia na Faixa.

No Eita, haverá Pocket Show com Pedro  Osmar e Loop B e o Imperdível Ricardo Kelmer. Como o próprio nome diz, o palco é aberto qualquer tipo de manifestação artística.

Divirta-se com O Brega não Tem Cura do Kelmer.  Clique aqui .  Difícil resistir, né?

E Domingo, depois de amanhã, tem Poesia na Faixa, dos Poetas do Tietê, a partir das 13 horas na Praça Dom Orione, no Bixiga.

Jovens poetas com megafones lêem e distribuem impressas poesias próprias ou de autores famosos  para os pedestres que estão aguardando para atravessar a faixa e também para os motoristas que estão parados enquanto  os pedestres atravessam a faixa. É agito bem legal.  Pode comparecer para ler e/ou distribuir seus textos.  Assista ao vídeo do  Poesia na Faixa de setembro de   2013 .  Clique aqui

Gostou???  Apareça amanhã e depois para conferir.

 

Armando Marques Já Deve Estar Tomando sua Cervejinha Com o Amigo Denner

Contar  histórias curiosas e até engraçadas envolvendo pessoas que acabaram de falecer é frequente aqui no Trombone.  É minha forma de homenageá-las.

Morreu hoje Armando Marques, juiz de futebol, famoso por seu rigor em relação ao jogo e também aos seus trejeitos delicados.

Primeiro o tal erro que mudou a história do Campeonato Paulista de 73, que você já ouviu hoje no noticiário.  Entretanto, tem caso muito mais divertido.

Cometeu erros históricos, e até primários, como todo mundo. Numa decisão por pênaltis, no Final do Campeonato Paulista de Futebol de 1973, entre Santos e Portuguesa, o Santos vencia por 2×0. Ele deu por encerrada as cobranças e o título para o Santos. Acontece que restavam dois pênaltis ainda a serem batidos e a Portuguesa, teoricamente, poderia empatar. Por conta desse erro, o título foi dividido entre os dois clubes.

Mas ele era considerado o melhor árbitro enquanto esteve em atividade. Era enérgico com todo mundo e impunha muito respeito e disciplina. Outra característica sua, como já foi dito,  eram os gestos excessivamente delicados, se me entendem.

Lá vai a historinha divertida:

Amigo do aristocrata e grande costureiro Denner, que morava nas imediações do estádio do Pacaembu, Armando, sempre após apitar jogo ali, ia à casa dele para uma cerveja.

Em um desses jogos, provavelmente após algum erro acompanhado dos famigerados trejeitos, as arquibancadas gritam sem parar:

- BICHA, BICHA, BICHA!!!!

O mordomo do amigo vira-se para o patrão e diz:

- Seu Dener, acho melhor eu já colocar a cervejinha do seu Armando no gelo!!!

 

Boas cervejas e bons papos por toda a eternidade para vocês!!!